PJBA REALIZA TURMA PRESENCIAL DE FORMAÇÃO DE FACILITADOR EM PROCESSOS CIRCULARES PARA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Home > PJBA REALIZA TURMA PRESENCIAL DE FORMAÇÃO DE FACILITADOR EM PROCESSOS CIRCULARES PARA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Voltar

PJBA REALIZA TURMA PRESENCIAL DE FORMAÇÃO DE FACILITADOR EM PROCESSOS CIRCULARES PARA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

 PUBLICADO EM: 30/05/2022 ÀS 16:36

 ATUALIZADO EM: 30/05/2022 ÀS 16:36

O Poder Judiciário da Bahia (PJBA), por meio da Universidade Corporativa (Unicorp), promoveu uma formação de Facilitador em Processos Circulares aplicada à Violência Doméstica. Foi a primeira capacitação em caráter presencial, após o início da pandemia do Covid-19.  

A turma foi pré-selecionada pelo Núcleo de Justiça Restaurativa do 2° Grau (NRJ2G) do Poder Judiciário da Bahia (PJBA) e pela Coordenadoria da Mulher para atuar na implantação do Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc) Família e Violência Doméstica na Comarca de Salvador. 

A ação ocorreu de segunda-feira (23) a sexta-feira (27), para magistrados e servidores lotados nas Varas de Família e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Os docentes foram a Juíza Sandra Magali, o Juiz Rodrigo Souza Britto, e a Juíza Maria Fausta Cajahyba Rocha, que também é coordenadora do curso. 

A Juíza Maria Fausta Cajahyba Rocha explicou que essa capacitação, especificamente, foi para facilitadores de círculos de construção de paz não-conflitivos, isto é, aqueles onde a vítima da violência doméstica não se encontra com o seu ofensor. “Não podemos fazer, logo de primeira, uma capacitação em círculos de construção de paz conflitivos”, afirmou a Juíza. “Trabalhar com Justiça Restaurativa, na violência doméstica, exige um certo cuidado no âmbito de gerenciamento de risco, em razão da própria natureza relacional do tipo de crime que se trata”. 

A Juíza Sandra Magali, Docente do curso, fez um balanço positivo da experiência de aula da semana. “O trabalho tem sido bastante gratificante,” contou a Magistrada. “Os participantes são, em sua maioria, pessoas que já têm algum conhecimento com relação às dinâmicas e aos papéis de gênero, e ao quanto isso importa em violências com relação às mulheres. Então, eu acredito que seja um ponto que favorece e facilita o nosso trabalho”. 

Ambas as Magistradas concordam que a metodologia de processos circulares é um mecanismo eficaz que deve receber apoio não somente do Poder Judiciário, como também da sociedade. Afinal, qualquer pessoa pode receber a capacitação de facilitador, como contou o Juiz Rodrigo Souza Britto.  Tocador de áudio00:0000:00Use as setas para cima ou para baixo para aumentar ou diminuir o volume.

No dia 20 de maio deste ano, o NJR2G promoveu, em parceria com a Coordenadoria da Mulher e a Unicorp, o “1º Encontro Justiça Restaurativa aplicada à Violência Doméstica”

Círculos de Construção de Paz ou Círculos Restaurativos 

Os círculos de construção de paz não-conflitivos são compostos, exclusivamente, por vítimas ou por ofensores de violência doméstica. A prática engloba uma resolução pacífica e estruturada de conflitos, que aposta na conscientização das pessoas que compõem um processo judicial, sobre quais fatores causaram os episódios de violência.  

A capacitação da Unicorp foi elaborada para formar pessoas que vão trabalhar tanto com grupos de homens ofensores, para a reflexão sobre a violência praticada, quanto com mulheres que sofreram violência doméstica. Para as vítimas, os círculos restaurativos tem como propósito fornecer um encontro de apoio mútuo e empoderamento, dando espaço para a mulher elaborar seus sentimentos, traumas e dores e criar redes de apoio. 

A Magistrada Sandra Magali destaca que a lei é extremamente importante como instrumento de proteção às mulheres, mas o aspecto meramente punitivo é insuficiente para o enfrentamento à violência doméstica.  

“Não basta empoderar as mulheres para que elas digam não a uma relação violenta, é preciso trabalhar os homens para que eles desconstruam esse modelo patriarcal que oprime mulheres e resulta em violência e feminicídio. Ao contrário, teremos mulheres cada vez mais dizendo não, e homens cada vez mais violentos porque não aceitam ou admitem que ela não seja sua,” adverte Sandra Magali. 

Rodrigo Souza Britto explica que Justiça Restaurativa não significa impunidade, e sim visa atender as necessidades emocionais das partes envolvidas. Os processos circulares não substituem a medida punitiva, eles apenas buscam promover a reflexão e conscientização das partes envolvidas. Tocador de áudio00:0000:00Use as setas para cima ou para baixo para aumentar ou diminuir o volume.

Descrição de imagem: participantes do curso de processos circulares aplicados à violência doméstica, durante a aula, no auditório do PJBA [fim da descrição]. 

#pracegover #pratodosverem 

  • Fonte: Ascom
  • Calendário

    March 2024
    SMTWTFS
    1
    2
    3
    4
    5
    6
    7
    8
    9
    10
    11
    12
    13
    14
    15
    16
    17
    18
    19
    20
    21
    22
    23
    24
    25
    26
    27
    28
    29
    30
    31
          
    < Feb Apr >
  • Tags